Brasileiro com incontinência urinária gasta até 40% da renda com tratamento

30 de junho de 2017

Estudo da Associação Brasileira pela Continência B. C. Stuart indica que o paciente com incontinência urinária gasta de 25 a 40% da renda média mensal de R$ R$ 2.116,84 com medicamentos e sondas uretrais.

“Os médicos que tratam a incontinência no Brasil não encontram dados para análise, levando à dificuldade de definir política de saúde adequada, voltada para o problema. Já os pacientes têm os gastos elevados com o tratamento”, afirma o médico urologista Valter Honji, membro voluntário da Associação.

No Datasus (2016), os dados traduzem o número de cirurgias. Só no ano passado, na região Sudeste, foram realizados 2627 procedimentos via vaginal. Os números são bem diferentes de uma região para outra. No Norte foram 176. No Sul, 1143, no Nordeste 762 e no Centro-Oeste 723. No total, foram 5.429.

Para a médica uroginecologista Márcia Dias, também membro voluntário da Associação, no Brasil o tratamento é basicamente cirúrgico. “Se formos avaliar pelo número de pessoas com a condição, há demanda reprimida em relação aos variados tipos de tratamento”, destaca.

A incontinência urinária é uma condição que afeta grande número de pessoas, de todas as idades, de ambos os sexos e poucos procuram ou tem acesso aos tratamentos. Causa impacto direto na qualidade de vida, auto- imagem, trabalho, vida sexual, levando à depressão, vergonha e timidez. A doença atinge mais as mulheres.

A perda involuntária de urina atinge cerca de 10 milhões de brasileiros e traz um grande prejuízo na qualidade de vida do indivíduo. Existem diferentes tipos de incontinência urinária. Um dos mais comuns é a incontinência urinária de esforço, que ocorre quando a pessoa perde urina ao rir, tossir, espirrar, exercitar-se, subir escadas, levantar peso ou exercer alguma outra forma de pressão sobre o assoalho pélvico.

Em muitos casos, esse tipo de incontinência pode ser ocasionado por alguma lesão nos esfíncteres (músculos) da uretra. Obesidade, menopausa, gravidez e partos, prisão de ventre, entre outras, podem ser a causa da doença.

O tratamento irá depender do tipo e da gravidade, além das causas subjacentes, podendo muitas vezes haver a necessidade de uma combinação de abordagens interdisciplinares. O paciente pode fazer exercícios para fortalecer a musculatura pélvica, aprender técnicas e treinamentos para a bexiga, perder peso e fazer dieta alimentar. Outros tipos da doença devem ser tratados com medicamentos e até cirurgia.

#PerderUrinaNãoÉNormal

Associação Brasileira Pela Continência B. C. Stuart A Associação Brasileira pela Continência B. C. Stuart é uma entidade sem fins lucrativos, cujo maior objetivo é de prestar assistência às pessoas que sofrem de incontinência urinária e/ou fecal.

A ideia de se criar esta associação aqui no Brasil nasceu do sonho de um empresário canadense, Sr. Raymond Laborie. Juntamente com um pequeno grupo de profissionais envolvidos na causa da incontinência, fora então criada a Associação Brasileira pela Continência usando o modelo de outras fundações já existentes no mundo, tais como a “Canadian Continence Foundation” e a norte-americana “Simon Foundation”.

Pensando nas dificuldades econômicas, sociais e emocionais que as disfunções miccionais causam às pessoas, que vislumbramos apoiar e orientar pessoas de todo o Brasil a encontrarem ajuda, oferecendo informações sobre os problemas específicos; sobre as possibilidades de tratamentos; encaminhamentos para profissionais que possam ajudar; orientações e indicações de acesso a medicações e produtos necessários ao manejo das disfunções miccionais.

Postado em Notícias por admin_bcs | Tags: