Incontinência Urinária de Esforço

31 de maio de 2017

O que é Incontinência Urinária?

A Incontinência Urinária (IU) pode ser entendida como um sintoma, uma vez que o paciente pode chegar ao médico e contar uma perda involuntária de urina ou um sinal quando o médico detecta no exame físico.

A Incontinência Urinária (IU) corresponde a qualquer perda involuntária de urina referida pelo paciente.

Essa perda pode ocorrer em várias situações, como por exemplo, ao realizar algum esforço, mas, pode ocorrer em repouso, ou pode ser precedida de algum sintoma, como uma urgência miccional.

Então, a incontinência urinária envolve uma série de doenças.

A IU é uma doença ou é um sintoma de uma doença?

Várias doenças podem evoluir com um sintoma de IU.   Pode ser decorrente, eventualmente, de processos cirúrgicos, onde a paciente é submetida a um tratamento de outra doença e acaba tendo como decorrência desse tratamento  alteração  no mecanismo de continência que existe no canal da urina, chamado uretra, mas, também a incontinência pode decorrer, por exemplo, de algumas doenças clinicas.

Existem, por exemplo, algumas formas de apresentação do diabetes que podem levar a um descontrole do funcionamento da bexiga levando a IU, outro exemplo, é a doença de Parkinson que também pode alterar o funcionamento da bexiga levando a IU, os derrames também comumente podem levar a IU. No caso do homem, a cirurgia para o tratamento do câncer de próstata pode levar a IU.

Então, estamos falando de um conjunto muito amplo de situações que podem terminar com incontinência urinária.

Quais são as causas da IU?

Podemos dividir a IU, em termos de causas em dois mecanismos principais, isso vale para o homem e vale para a mulher.

A IU pode decorrer de uma alteração dos músculos  que compõem a região do esfíncter uretral. O esfíncter uretral é uma válvula que existe no canal da urina e que em parte é de controle voluntário, uma vez que, a pessoa pode interromper o jato de urina voluntariamente, e em parte involuntário, ou seja, é controlado pelo sistema nervoso independentemente da nossa vontade.

Alterações no esfíncter podem levar à incontinência urinária, e as IU podem também decorrer de problemas na bexiga, onde, por várias causas ou associadas a várias doenças, a bexiga deixa de funcionar de forma correta.

O que é uma bexiga que funciona corretamente?

É uma bexiga que à medida que o rim vai enviando urina a ela, ela se distende progressivamente mantendo no interior dela uma pressão baixa fazendo o seu papel de recipiente da urina. E só vai se contrair mediante o nosso desejo, comandado pelo nosso sistema nervoso.

Existem algumas situações onde a bexiga perde esse controle do sistema nervoso e começa a funcionar de maneira autônoma, descoordenada levando a IU. E nesse caso, mesmo que a válvula do canal da urina esteja funcionando adequadamente, por vezes, a pressão dentro da bexiga vai ultrapassar o poder de contenção da urina e a pessoa vai perder urina.

A IU atinge homens e mulheres?

Sim, a IU não é uma doença só de mulheres, mas, as causas que são bem diferentes.

Nos homens é muito relevante a participação das doenças da próstata. O aumento da próstata vai causar alterações, em alguns homens, no funcionamento da bexiga e dessa maneira, isso pode levar a sintomas de perda involuntária de urina.

No caso das mulheres, a IU está muito relacionada ao processo de envelhecimento, à menopausa e também aos processos de gestações como um todo.

Quais são as características da Incontinência Urinária de Esforço (IUE)?

A IUE se caracteriza pela perda involuntária da urina quando há um aumento da pressão dentro da barriga, que normalmente é ocasionada ou pela tosse, ou pelo espirro, eventualmente por um vômito, ou por exercício abdominal. Qualquer coisa que leve a pessoa a contrair o abdômen aumentando a pressão, ocorre simultaneamente ao aumento da pressão a tosse e ao mesmo tempo a urina sai.

Esta característica diferencia a IUE da outra forma de incontinência chamada incontinência de urgência, que normalmente esta relacionada a problemas da bexiga, onde a paciente ou o paciente têm um desejo súbito e incontrolável de urinar, que ela não consegue conter, nem inibir e que termina com a perda de urina.

Na IUE tossir, espirrar, carregar peso, segurar uma criança no colo e a perda de urina se processa simultaneamente.

A Incontinência Urinária ocorre em qualquer idade?

Sim. A IU não perdoa crianças, adultos jovens, nem velhinhos.

Essa é outra questão interessante, porque em geral se considera que a IU é doença de velhos e não é.

Existem varias doenças na faixa etária pediátrica que podem levar a perda de urina. De maneira geral, não é esperado que uma criança mantenha perda urinária, após, no máximo sete anos de idade.

Existem doenças onde a perda de urina se processa desde o nascimento de forma muito avassaladora, mas, pode ocorrer também em adultos jovens, em homens, mas, mais frequentemente em mulheres relacionadas às questões da gestação e nos idosos ela volta a ocorrer em homens e mulheres. Nos homens está relacionada aos problemas da próstata e nas mulheres às alterações que ocorrem no organismo com a menopausa.

Como é feito o diagnóstico da Incontinência Urinária de Esforço?

O diagnóstico é clínico e pode ser feito de maneira subjetiva, ou seja, perguntando ao paciente como ocorre a perda de urina e se o paciente relata a perda de urina relacionando-a a tosse, espirro isso caracteriza a IUE.

Também existem formas objetivas, onde o médico demonstra a IUE, a forma mais simples é o exame da mulher com a bexiga cheia, onde o médico solicita que ela faça um esforço abdominal, ou faça tosse e o médico observa a saída da urina pela uretra.

Além do diagnóstico que é feito na anamnese e no exame físico, existem meios auxiliares que o médico pode fazer uso em situações bem específicas para se ter a comprovação do diagnóstico e também classificar a IU e para graduar a sua intensidade.

Nem sempre esses métodos são necessários em consultório médico habitual, eles são mais utilizados em universidades para pesquisas e para situações de dúvidas.

Por exemplo, uma técnica que pode ser utilizada é orientar a paciente a usar uma absorvente e esse absorvente será pesado inicialmente seco e depois que ela realizar uma sequência de atividades pré-determinadas, por exemplo, subir um lance de escadas, ficar de pé por alguns minutos, pular e aí o absorvente volta a ser pesado. A diferença do peso seco versus o peso depois dos exercícios pode levar a um diagnóstico de incontinência de uma maneira mais sutil quando nós não conseguimos demonstrar numa tosse ou espirro.

Existem exames que também podem ser utilizados para a classificação da incontinência, como o estudo urodinâmico.

O estudo urodinâmico é um exame funcional do aparelho urinário inferior. É o exame que permite ao médico identificar os problemas de funcionamento da bexiga e da uretra.

Este exame é o padrão ouro, como se diz em medicina, o exame mais completo para avaliar a IU, mas ele apresenta algumas desvantagens, que é a sua invasibilidade, uma vez que o estudo urodinâmico implica no uso de pequenas sondas através da uretra e isso pode gerar desconforto momentâneo. Porém, existem situações onde sua indicação é necessária e tem que ser realizada.

Qual o tratamento para a Incontinência Urinária?

São vários os tratamentos, para cada causa de incontinência urinária existe um tratamento específico.

Para crianças que perdem urina a noite dormindo existe um tratamento, para a mulher que tosse e espirra e perde urina tem outro tratamento, para o paciente prostático tem outro tratamento e para os pacientes que tem incontinência por alguma doença neurológica tem outro tratamento.

De maneira geral, independente do tipo de paciente que estamos nos referindo, o tratamento é baseado em medidas comportamentais, onde o médico passa a conhecer as situações onde a incontinência ocorre e pode orientar o paciente,  às vezes medidas como a ingesta de água, aumentar ou diminuir em determinados momentos do dia.

O tratamento pode ser com medicamentos, existem medicamentos que agem na bexiga e medicamentos que agem na válvula do canal da urina, ou ainda tratamentos cirúrgicos, onde para cada causa de incontinência existem várias opções de tratamentos cirúrgicos.

O importante é que hoje em dia o arsenal terapêutico da incontinência Urinária é muito vasto e existem formas de abordar praticamente todas as causas de IU.

De maneira que não se justifica mais aquele aforismo do passado onde se dizia “ah o velhinho, ele vai perder urina mesmo. É uma consequência do envelhecimento e ele tem que se adaptar.”

É contra isso que nós, médico lutamos!

Porque hoje em dia, os padrões sociais mudaram, as pessoas são completamente ativas até faixas etárias muito avançadas, então, nós temos que prover condições para que essas pessoas possam efetivamente participar do convívio familiar e social e serem felizes!

Qual a precedência da Incontinência Urinária no Brasil?

No Brasil os dados são bem imprecisos, mas existem muitos dados internacionais a respeito da IU, principalmente nos EUA e na Europa.

Em linhas gerais, o que podemos dizer é que a IU aumenta com o envelhecimento e na população idosa, ou seja, com mais de 60 anos de idade pode atingir até 30% das pessoas, considerando-se desde sintomas leves de IU até aqueles pacientes que realmente tenham um comprometimento maior.

Por Dr Cássio Riccetto