Incontinência Fecal X Constipação Intestinal

24 de julho de 2020

É muito comum vermos pessoas que sofrem com a saúde intestinal, apesar de atualmente estar sendo mais divulgado este assunto. Muitas pessoas sofrem sem procurar ajuda profissional. Saber como é o padrão “ideal” do seu intestino é fundamental para detectar se há alterações neste ou não. Por isso, hoje vou falar sobre as diferenças de Incontinência Fecal (IF) e Constipação Intestinal (CI).

Continência é o resultado de um equilíbrio entre o complexo do esfíncter anal (“plug”), consistência das fezes, a função do reservatório retal e função neurológica já o termo incontinência fecal é definida como a perda involuntária de conteúdo retal (fezes, gás) através do canal anal e a incapacidade de adiar uma evacuação até socialmente conveniente pelo menos no último um mês 2,3,4

É sabido que tem vários fatores para isso acontecer e que este sintoma pode invadir de forma negativa a qualidade de vida e vida social do paciente.

Agora quanto a constipação intestinal ela é descrita como uma complicação comum determinada pela difícil e / ou rara passagem das fezes ou por ambas. A diferença na definição de constipação levou a uma ampla gama de prevalências relatadas (ou seja, entre 1% e 80%). Vários fatores estão envolvidos na patogênese da doença, incluindo tipo de dieta, predisposição genética, motilidade colônica, absorção, status socioeconômico, comportamentos diários e fatores biológicos e farmacêuticos5  no geral, a prevalência média de constipação em adultos foi estimada em 16% em todo o mundo (varia entre 0,7% e 79%); enquanto a prevalência de 33,5% foi atribuída a adultos de 60 a 110 anos6 , vale ressaltar que a constipação está muito associada ao estilo de vida da pessoa.

Ambas as doenças precisam ser diagnosticadas pelos médicos e estes escolherem a melhor conduta de tratamento mas sabe-se que um dos tratamentos é a Fisioterapia Pélvica, pode-se tratar todo o assoalho pélvico em relação a musculatura.

Devemos lembrar que ambas trazem mais de um fator para apresentar o sintoma então vale ressaltar que a visita ao nutricionista é essencial assim como dependendo do grau de severidade o uso de medicamento também seja um boa alternativa além do acompanhamento psicológico pelos danos que estas patologias trazem as vidas das pessoas.

Texto escrito por: Dalila Duarte – Fisioterapeuta Pélvica
Membro do Comitê Científico da Associação Brasileira Pela Continência BC Stuart
Especialista em Saúde da Mulher e do Homem pela Santa Casa de São Paulo
Responsável pela equipe de Fisioterapia Pélvica do Hospital Alemão Osvaldo Cruz – Unidade Paulista

Referências utilizadas no texto:  1.Natelly Saldana Ruiz, Andreas M Kaiser. Fecal Incontinence- Challenges and Solutions World J Gastroenterol 2017 January 7; 23 (1): 11-242. Wald A. Clinical practice. Fecal incontinence in adults. N Engl J Med 2007; 356: 1648-1655 [PMID: 17442907 DOI: 10.1056/ NEJMcp067041] 2 Rao SS. Diagnosis and management of fecal incontinence. American College of Gastroenterology Practice Parameters Committee. Am J Gastroenterol 2004; 99: 1585-1604 [PMID: 15307881 DOI: 10.1111/j.1572-0241.2004.40105.x] 3 Paquette IM, Varma MG, Kaiser AM, Steele SR, Rafferty JF. The American Society of Colon and Rectal Surgeons’ Clinical Practice Guideline for the Treatment of Fecal Incontinence. Dis Colon Rectum 2015; 58: 623-636 [PMID: 26200676 DOI: 10.1097/ DCR.0000000000000397]4.Rao SS. Diagnosis and management of fecal incontinence. American College of Gastroenterology Practice Parameters Committee. Am J Gastroenterol 2004; 99: 1585-1604 [PMID: 15307881 DOI: 10.1111/j.1572-0241.2004.40105.x]

  1. Mojgan Forootan, MD,a Nazila Bagheri, MD,b and Mohammad Darvishi, MDc , Chronic constipation A review of literature; Medicine (Baltimore). 2018 May; 97(20): e10631
  2. Wald A, Scarpignato C, Kamm MA, et al. The burden of constipation on quality of life: results of a multinational survey. Aliment Pharmacol Ther 2007;26:227–36. [PubMed] [Google Scholar]